Bem-vindos ao meu site!

Cacau dos Santos

Designer Web Designer Cool Hunter Mídias Sociais e nas horas vagas... Blogueira!

12 junho 2017

Licor de Cacau - 1ª Temporada - #15 - Bon Appétit, baby!

  • junho 12, 2017
  • by
Imagem: YouTube - KatyPerryVEVO

(1) Sobre fundo preto surgem, em letras brancas, sucessivamente, as seguintes frases:

AVISO: A história a seguir contém linguagem atípica, palavrões, termos em inglês, muitos pontos de exclamação e referências da cultura pop e, devido ao seu conteúdo, este pode causar crises de risos e nostalgia aos leitores. Todos os personagens e eventos - mesmo aqueles baseados em pessoas reais - são fictícios. Se por ventura você se identificar com algo que foi escrito ou com alguém citado, isso significa que a sua loucura se parece um pouco com a minha e aproveite esse momento de coincidência para me seguir no instagram: @thecacaudossantos

(2) As frases desaparecem em fade e surge título da série seguida da primeira cena


NO EPISÓDIO ANTERIOR:
Pedro publica uma foto linda ao lado de seu família, todos sentados numa grande mesa redonda, no melhor estilo “almoço de domingo com os melhores”. Ele me parece feliz e fico feliz por ele estar feliz... mas... o quê?... Olho bem para o foto e noto uma coisa que me deixa um pouco intrigada... há uma garota sentada ao seu lado... e ela está com a mão em sua coxa!...

EU: Chouri! Esteja na minha casa hoje às 21h. VAMOS TRANSAR.
ANTÔNIO/CHOURI: É O Q????????
EU: É isso mesmo o que você leu, nós vamos transar! MUITO! Bora tirar esse atraso e para com a palhaçada!
- Trouxe a maconha gourmet do Felipe?
- Trouxe algo melhor.
- Que isso?
- É um brigadeiro mágico, mas esse é especial, veio direto da Europa. Meu irmão quem trouxe.
- PUTA QUE PARIU O ELEFANTE ROSA! OLHA CAKE, OLHA ALI! Caralho Chouri, você tinha razão, a erva dos gringos é mais forte que a nossa... EU TÔ VIAJANDO!... Aaaah Meu Deus, eu tô viajando!... EU TÔ VIAJANDO, HAHAHAHAHAHAHAHA!!!
- Adorei a ideia, adorei o conceito e adorei a sugestão do hidrocor! Mas é claro, crianças gostam de desenhar e por que não deixa-las criar as estampas de seus próprios tênis? Perfeito! Vamos fechar com essa proposta!
- HÁ! Perfeito! Proposta definida, então!
- Chouri, quer namorar comigo?
- Quero.


LICOR DE CACAU
EPISÓDIO 15 – BOM APPÉTIT, BABY
Escrito por: Cacau dos Santos


Rio de Janeiro, Laranjeiras
9 de junho  de 2017
7h21 am

Música de cena:


A quem eu estou querendo enganar? Namorar o Chouri... ops, Antônio, é uma delícia! Tô aqui de boas, deitada na minha cama, observando ele dormir e isso é tão lindo... ele rouca um pouco? Ele rouca um pouco! Mas tudo bem, não importa! Gosto dele assim mesmo, do jeitinho que é, e ele fica uma gracinha dormindo, tão gracinha que estou com pena de acordá-lo mas infelizmente eu preciso fazer isso pois já são quase 7 e meia e eu tenho de me arrumar pra ir para o trabalho e ele precisa ir para casa dele ensaiar com os meninos pois hoje a noite tem apresentação.

Então, delicadamente, lhe dou um beijo na bochecha, depois um cheiro no pé da orelha e, aos poucos, ele vai despertando. Dá aquela espreguiçada...


...lentamente vai abrindo os olhos e logo já está acordado.

- Bom dia :) - digo com um sorriso sem dentes.
- Bom dia – responde ele com aquela voz de sono feat preguiça.
- Dormiu bem?
- Eu sempre durmo bem quando passo a noite aqui. Gosto muito da sua cama.
- Que bom, fico feliz.  Eu também gosto muito da minha cama e gosto muito de tê-lo aqui mas, infelizmente, ou felizmente, nós temos de ir trabalhar. Eu principalmente. Então hora de levantar, tomar banho e seguir pra rua! – digo já dando um pulo da cama e seguindo em direção à cozinha para passar um café.

Chouri vem logo atrás mas muda o rumo no meio do caminho e segue para o banheiro, onde deixa a porta aberta, levanta a tampa da privada e começa a dar uma mijada básica. Olho bem de relance a cena, depois olho para a câmera e falo:
- Intimidade é uma merda, né mesmo?
- O quê você disse, gata? – pergunta ele.
- Nada! Só, pensei alto!

Disfarço e volto para a cozinha onde coloco o café na cafeteira e depois a frigideira com design de coração no fogão. Decidi fazer um café-da-manhã todo “americanizado” pra nós dois e vou preparar panquecas! E ao olhar para aquela frigideira eis que me lembro de algo bastante importante: na próxima segunda-feira será o Dia dos Namorados.

Não resisto e jogo uma indireta ao Chouri... ops, Antônio:
- Ô gato...
- Quê? – me pergunta ainda no banheiro.
- Tá ligado que segunda-feira é dia 12, né?
- ... É... e?
- Como “E”? “E” que esse será o nosso primeiro Dia dos Namorados juntos!
- É... e?
- Chouri eu vou te matar!
- EPA! ME CHAMOU DE CHOURI! PAGUE 25 CENTAVOS!
- AAAAAAAAH PORRA!

Bufando de raiva eu corro para o quarto e pego meu porta-moedas que está dentro da minha bolsa e tiro 25 centavos e depois corro para o banheiro e o entrego a Chou... Antônio.

Olho para a câmera e explico:
- É que a gente fez um trato, toda vez que o chamar de “Chouri” eu tenho que lhe pagar 25 centavos, e toda vez que ele me chamar de “Camila” precisa me pagar a mesma quantia. Só assim pra gente aprender a se chamar de “Antônio” e “Cacau”. Por enquanto ele está ganhando, nunca esquece de me chamar pelo apelido, já eu...
- Toma... droga, daqui a pouco você vai ficar com todo o meu salário! – reclamo enquanto estico a mão para lhe entregar a moeda.
- Veja pelo seguinte ponto, com essas moedas que estou ganhando eu vou juntar todas elas e comprar um presente de Dia dos Namorados muito irado para você, hum...
- ...OK, agora você saiu pela tangente!

E não resisto e lhe dou um beijo seguido de um abraço.

Tão vendo, eu disse que namorar o Chou... Antônio, tem sido uma delícia!


Barra da Tijuca, Agência GRID
3h20 pm

Aproveito um raro momento onde todas as demandas já foram entregues e não recebi o feedback dos clientes (ou seja, não tenho nada pra fazer) e dou um Google nos e-commercers da vida:
- Uuuh... não... também não... uuuuh pode ser... não... não... talvez...
- Tá fazendo o que, Cacau? – pergunta Alana curiosa.
- Tô procurando um travesseiro maneiro para dar de presente ao Chouri.
- Travesseiro?! – ela se assusta.
- É! O que acontece, eu decidi montar um Kit-Presente para o Dia dos Namorados e nele vai vir 1 pijama + 1 escova de dentes +  1 caneca + 1 travesseiro. Como ele adora dormir lá em casa, quero que saiba que é muito bem vindo para compartilhar da minha cama e ficar para o café a hora que quiser.
- Pô, legal essa ideia!
- Valeu! A escova de dentes foi o mais fácil de conseguir, comprei uma toda preta da Colgate!
- HAHAHAHA, boa!
- O pijama, que achei que seria o mais difícil, foi super tranquilo de comprar! Achei uma calça com estampa de guitarra na Renner e uma blusa cinza de algodão com estampa do Sex Pistols na Riachuelo.
- Irado!
- A caneca também foi de boa, achei uma na Casa Geek em formato de caixa de som. Agora a almofada, a que achei que seria a mais fácil, tem me dado dor de cabeça. Não encontro nada que se encaixe na minha ideia. Acho que vou comprar uma fronha e customizar.
- Mas vai customizar como?
- Com uma frase, quero algo como “Minha cama sempre as ordens” ou “Aqui compartilhamos mais que sonhos”... enfim, é melhor eu fazer isso, depois do expediente vou ver se consigo uma fronha preta e compro tinta branca e escrevo a frase nela e dou pra ele. Fica bem melhor. Só espero que ele goste e que o presente que vá me dar também seja a altura porque, olha, tô aqui caprichando nos mínimos detalhes e se ele me vier com um vale-presentes de R$50 da Loja Marisa eu juro que vou ter um ataque de pelanca!
- Iiih eu gosto da Marisa.
- Eu também, amada, pra comprar lingerie é um sonho! Mas entenda que o que está sendo avaliado aqui é a dedicação na busca pelo presente pois vale-presente é a personificação da falta de vontade ou falta de conhecimento do próximo na hora de comprar algo significativo ao outro ser envolvido, saca?
- ...você quer um presente da Imaginarium, não é?
- CLARO QUE QUERO! E aí dele se não me der a Luminária de Sorvete de Morango a qual venho paquerando a dias! Te juro que fico 1 mês sem dar pra ele!
- Aí Cacau, você é a melhor! Acredita que eu ainda não comprei nada para o Breno. E não faço a mínima ideia do que dar de presente pra ele. Aliás nem sei o que vamos fazer no dia 12...
- Por que não o leva pra jantar no Outback? Eu sei que é mega clichê mas eu vou fazer isso com o Chouri, ele AMA a costela de lá.

- Outback? Aí não sei... vai estar lotado essa porra!
- É, vai, mas vai valer a pena, é uma data especial e quero fazer esse agrado ao meu gato. Nosso primeiro Dia dos Namorados... aí aí, quero que tudo saia perfeito!


10 de junho, Botafogo
12h02 pm

Tô de boas, andando pelo Botafogo Praia Shopping a procura de uma loja que venda roupa de cama quando meu celular toca. É Chouri. Atendo logo no terceiro toque:
- Fala gato! – digo bastante animada.
- Gata... seguinte... temos uma mudança de planos no dia 12.
- Mudança de planos, como assim? O que houve?
- Houve que não vamos mais jantar no Outback.
- UÉ, e por que não?
- Porque meio que surgiu um outro compromisso...
- Outro compromisso? Não me diga marcaram alguma apresentação para o dia 12?
- Não, não tem nada a ver com a banda. É... outra coisa...
- Outra coisa? AÍ MEU DEUS, Chouri, fala logo o que houve?
- AAAAAH! ME CHAMOU DE CHOURI! PAGUE 25 CENTAVOS!
- CHOURI!!!! – e já começo a perder a paciência com ele.
- Tá bom, eu falo... vamos jantar na casa da sua tia.
- Aaaah tá... É O QUÊ?!!!!!

E digo “É O QUÊ” tão alto que, pelo menos, umas 10 pessoas no shopping param e olham para a minha cara. Morrendo de vergonha eu corro para um canto e continuo a conversa.

E digo “É O QUÊ” tão alto que, pelo menos, umas 10 pessoas no shopping param e olham para a minha cara. Morrendo de vergonha eu corro para um canto e continuo a conversa.

 - Como assim “jantar na casa da minha tia”? Ficou louco?!
- Calma que eu explico, eu contei para a minha mãe que nós estamos namorando e a minha mãe contou para a sua tia e a sua tia ficou tão feliz com a notícia que decidiu comemorar o fato nos preparando um jantar. E o jantar, em questão, foi marcado para essa segunda-feira, dia 12, assim todos vão celebrar o amor e o nosso amor. Sim, foi com essas palavras que eu recebi a notícia, “celebrar o amor e o nosso amor”.
- Você só pode estar tirando uma com a minha cara?
- Antes fosse zoeira, gata, mas é não.  Sua tia acabou de me ligar e me convenceu a aceitar a proposta. Aliás eu devo ressaltar que ela é bastante intimidadora e sabe convencer uma pessoa a fazer exatamente o que ela quer, bem que você me falou!
- É, EU DISSE, ELA É UMA VACA!

E estou tão brava que continuo falando em voz alta e continuo chamando a atenção das pessoas.
Respiro fundo e tento me controlar.

- Chouri... Antônio... querido... por que você simplesmente não disse “não, obrigado” e desligou na cara dela?
- Eu tentei mas é a sua tia! Você melhor do que ninguém sabe como ela é! E outra, parece que todos já estão de acordo e já aceitaram o convite, inclusive a minha mãe que vai estar presente.
- Todos! Como assim “todos”?
- É, todos! Minha mãe, sua tia, sua prima, seu pai, eu e agora só falta você aceitar.
- MEU PAI?! VOCÊ DISSE MEU PAI?!!



- É gata, ela chamou teu coroa.
- FILHA DA MÃE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Aí, é claro, que eu viro o centro das atenções do shopping. Berro tão alto de raiva que um segurança se aproxima e pergunta se eu estou bem?
- É CLARO QUE EU NÃO ESTOU BEM! EU ESTOU AQUI, GRITANDO E FAZENDO ESCANDÂLO, É CLARO QUE NÃO ESTOU BEM! – respondo sem pensar muito.

É, esse meu ataque de pelanca tá demais.

- Senhora, eu peço que você se controle.
- SENHORA É A SENHORA SUA MÃE, Ô!
É, meu ataque de pelanca tá mesmo demais dessa vez!
- Senhora, se você não se controlar eu...
- AAAAH EU SEI, EU SEI, VOCÊ VAI VIR COM ESSA MAQUININHA DE DAR CHOQUE, VAI ME JOGAR NO CHÃO E ALGUÉM VAI ME FILMAR E EU VOU PARAR NO YOUTUBE E DEPOIS VIRO MATÉRIA NO FOFOCALIZANDO. JÁ SEI E JÁ ESTOU DE SAÍDA... aaah não, peraí, preciso comprar a fronha para personalizar o travessei do meu namorado... AÍ NÃO, falei alto e ele ouviu no telefone... Alô, Chouri? Chouri ainda tá aí? – perguntou voltando o celular para o meu ouvido e ignorando o pobre do policial.
- ... + 25 centavos – responde Chouri do outro lado da linha.
- AAAAAAH Chouri! – e berro de novo, prestes a perder, novamente, a paciência.

O policial se afasta mas fica de olho em mim e com a mão enfiada em um dos bolsos da calça. Te falando, ele tem a maquininha que dá choque!

- Com essa já são 75 centavos! – ironiza Chouri do outro lado da linha.
- Você ouviu da fronha, não é?
- ...talvez...
- Tá, finja que não ouviu nada e vamos voltar ao assunto “jantar do amor”, eu não vou. E nem você.
- Gata eu acho que não vai dar pra gente dar um perdido nisso, não.
- E por que não?
- Porque a minha mãe ficou mega empolgada com esse jantar, sério. Ela também me ligou falando do quanto está feliz porque eu e você estamos juntos e que ela e a sua tia sempre torceram para que a gente fosse um casal... e ela vai fazer e levar Bacalhau Espiritual. Pronto falei.
- É o que, Antônio? Você trocou o nosso jantar de Dia dos Namorados no Outback por um Bacalhau Espiritual?! – é, tô com tanta raiva que o chamei até de Antônio.
- ... pra quê que eu vou dizer que não se é sim?!
- Você não tem vergonha nessa cara, não?!
- Quando se trata de comida, eu não tenho, não!
- Se vendendo por um bacalhau!
- Meu sangue português falou mais alto.
- Francamente! Isso foi patético!
- Sua tia mandou avisar que, de sobremesa, ela vai servir Pavê Mineiro.
- POIS DIGA A MINHA TIA QUE EU ESTAREI LÁ SEM FALTA.

E encerro a ligação.

Quê? Cada um tem o seu preço, o do Chouri é um Bacalhau Espiritual e o meu é um Pavê Mineiro. Nos julguem!


12 de junho, Vila Isabel
8h14 pm

Música de cena:


Como já é de conhecimento geral, minha tia sempre janta às 8 em ponto, mas hoje eu e Chouri nos atrasamos. Mesmo tendo conseguido sair cedo da Agência, eu me enrolei um pouco na hora de me arrumar (sou mulher e quero estar bem vestida nesse Dia dos Namorados, por isso escolher o sapato certo pode levar mais tempo do que se imagina, não questione), por isso, ao invés de chegarmos às 20h, chegamos 20h14. Bela bosta. Não ligo, deveria ligar mas não ligo, já gongaram meu jantar no Outback mesmo, então que nos esperem para jantar!

Mas o engraçado é que Chouri parece preocupado com isso.

- Merda, sua tia vai reclamar do atraso – questiona ele.
- Aí, e daí? Quem liga?
- Eu ligo! Não queria fazer feio na nossa primeira reunião de família.
- Em primeiro lugar não é reunião de família, é um jantar para “celebrar o amor e o nosso amor”, em segundo lugar é só relaxar e ignorar a bruaca. É o que eu vou fazer. Juro que não vou cair na pilha venenosa dela e vou me manter o mais controlada possível pois tudo o que eu quero é sobreviver a essa noite em paz, comer meu Pavê Mineiro e depois ir pra casa, te entregar seu presente o qual “você não faz a mínima ideia do que é”, depois transar por meia hora e, por fim, dormir.
- ...meia hora?
- ...tá, 45 minutos sendo 15 de preliminares.
- Feito.


Trato feito, nos damos as mãos e seguimos em direção a porta do apartamento. Chouri toca a campainha e já sinto meu coração disparar. Não sei o que será pior, jantar com a vaca da minha tia ou jantar com o desgraçado do meu pai!... Acho que as duas coisas, viu.

E eis que é a bruaca quem abre a porta e nos recebe. E ela está tão... RADIANTA! Oi?

- Antônio, Camila! Que bom que vocês chegaram!

E ela nos recebe com um forte e caloroso abraço que chega a me deixar sem-graça com tamanha hospitalidade. Ela bebeu, foi?

- Olhem só pra vocês dois, que casal mais lindo! Não sabem o quanto fico feliz com essa união! Entrem, por favor. Entrem e fiquem a vontade.

Seguro a mão de Chouri mais forte ainda, como quem diz silenciosamente “CUIDADO! É CILADA, BINO!”, mas ele parece não se importar, na verdade acho que está gostando de estar aqui e de toda essa papagaiada. Vou dar na cara dele quando estivermos na cama.

- Antônio você está tão bonito, se tornou um rapaz tão elegante... – diz minha tia fechando a porta atrás de nós.
- Aaah obrigado, tia – diz ele meio ruborizado.
- Sempre soube que se tornaria um homem de porte! Quer beber alguma coisa? Posso lhe preparar um drink, se quiser.
- Aaah não, obrigado. Eu tô de boa e também não posso beber, tô dirigindo e aí já viu, Lei Seca.
- Certo, responsabilidade em primeiro lugar. Gosto disso, tem juízo.
- Eu aceito um vinho! – digo na lata só pra irritá-la.
- Claro Camilinha, 1 vinho. Tinto, certo? Vou buscar pra você! ;)

AH? Não se irritou e até sorriu e piscou pra mim! Que isso, uma pegadinha ou o quê?!

- Aaah Antônio, sua mãe já está aí, está na sala de jantar esperando por vocês dois, vão lá falar com ela enquanto pego a taça de vinho para a Camilinha.
- Opa, obrigado, tia! – agradece Chouri que me puxa pela mão e me leva até a outra sala.

E quando chegamos, lá está tia Regina, já sentada à mesa, ao lado de Flor de Liz. Quando nos vê, ela se levanta na hora e vem em nossa direção para nos abraçar.

- Até que enfim chegaram! Como vocês estão? – pergunta.
- Estamos bem, mãe. E você? – pergunta Chouri.
- Bem também. Faminta, confesso! Aposto que você está louco para comer o Bacalhau Espiritual!
- Apostou certo! Por mim já podemos jantar! – diz Chouri já se sentando na mesa.

Enquanto isso vou falar com Liz:
- Oi prima, e aí? E tudo bem? – pergunto.
- Oi prima, tudo ótimo! Aí não sabe como eu estou feliz pela noite de hoje! – responde ela com a voz mais empolgada que o normal.
- Aaah é, e por que isso?
- Porque eu tenho uma novidade!
- Jura? Qual?
- Você vai saber daqui a pouco!

E ela corre para o sofá e pega o celular. Vejo que está checando as mensagens no WhatsApp. O que será que ela está aprontando?

Percebo que meu pai não está presente. Será que o desgraçado também vai chegar atrasado? Logo sinto uma mão tocando meu ombro e quando me viro vejo que é a minha tia com a taça de vinho.

- Aqui, Pérgola, seu favorito, não é mesmo? – diz esticando a mão e me oferecendo a bebida.
- Isso mesmo... obrigada...
- De nada, querida!

Ela está tão amável que chega a me assustar. Não gosto nada disso. Mas aproveito o embalo e pergunto logo do meu pai:
- Onde ele está?
- Ele não veio, parece que a “novinha” não está se sentindo muito bem, “problemas femininos”, por isso seu pai decidiu ficar em casa tomando conta dela.
- “Problemas femininos”, tá legal. Me engana que eu gosto... – digo, dando um gole significativo no meu vinho.

Minha tia fica visivelmente irritada mas se segura e nada diz. Apenas me lança um sorriso forçado e depois vira as costas e segue em direção à cozinha.

OLHO PARA A CÂMERA E EXPLICO:
“Novinha” é como meu pai chama a amante 30 anos mais nova que ele. Depois que minha mãe morreu ela foi morar na nossa casa em São Gonçalo sob as bênçãos de minha tia. Ela sabe que eu a detesto e detesto que todos finjam que é normal e aceitável ele colocar na casa da esposa falecida a amante que gerou a maior discórdia na vida da minha mãe e que esse é um dos motivos pelo qual eu não falo mais com ele. Mas para a minha tia a errada sou eu por estar virando as costas para o meu “doce e amável” pai. Graças a Deus ele não veio hoje, aposto que essa história de “problemas femininos” foi desculpas mas nem ligo. Na verdade eu agradeço porque, pela primeira vez, os dois tomaram semancol e não deram as caras. Às vezes milagres acontecem, não é mesmo?

- O jantar está servido! – anuncia a minha tia - Camilinha, Liz, venham!
- Oba! - e Liz dá um pulo do sofá e sai saltitando em direção a mesa.

Sigo atrás na maior calma do mundo. De fato eu pareço a menos empolgada esta noite. Mas, pelo menos, o jantar vai ser mais intimo do que o esperado, só eu, Chouri, a mãe dele, Liz e minha tia. Menos mal, só de não ter a presença do meu pai e de sua “novinha” eu já fico menos aborrecida.
Mas assim que todos nos sentamos a mesa, eis que a campainha toca. Ué, quem mais foi convidado?

- Quem será? Não chamei mais ninguém – estranha minha tia.
- EU ATENDO! – diz Liz dando outro salto animado da cadeira e correndo em direção a porta.

Todos ficam em silêncio, só observando a cena. E quando Liz abre a porta...:
- AAAAAAH, baby!

...ela praticamente se joga em cima da figura jovem e masculina que acaba de chegar e logo o puxa para dentro e o leva até a nossa mesa. OK, isso está começando a ficar interessante.

- Família, quero que conheçam alguém muito especial, esse aqui é o Rodinei! O meu namorado!
- É O QUÊ?! – e na hora a minha tia levanta da cadeira.

Pronto, acabou a compostura... E EU ESTOU ADORANDO ISSO!

- É mamãe, esse aqui é o Rodinei, meu namorado! – responde Liz ainda mais animada e com o braço enroscado no braço do cidadão.

E o que é que eu posso dizer... que figura mais exótica! Rodinei tá usando uma calça jeans que é uns 5 números maiores que o seu corpo, o que faz com que ela caia e fique “pendurada” abaixo do seu umbigo, deixando à mostra sua cueca box branca, tá usando uma blusa preta com uma foto do Tupac estampada nela, tá de boné de aba reta e tem cara de quem já fumou uns 2 baseados só hoje... gostei dele!


- Fala aí mamãe, tudo em ordem? – diz ele esticando a mão na direção da minha tia.
Acho que ela vai ter um derrame!
- Liz, quer me dizer o que é que significa isso?! – pergunta ela tentando não explodir.
- Bom, foi você quem disse que a noite de hoje era para “celebrar o amor” e como a Camila veio apresentar o namorado dela, eu pensei que essa seria a oportunidade perfeita para apresentar o meu namorado!
- É mamãe, a gente quer oficializar as coisas, tá ligada? – diz Rodinei segurando Liz pela cintura e a puxando para perto de si.

É, minha tia vai mesmo ter um derrame seguido de um ataque MASTER de pelanca!

- E a quanto tempo vocês estão juntos? – questiona ela.
- Aaah sei lá, tipo, uns 6 meses... – diz Rodinei.
- SEIS MESES! – Berra minha tia.
- Na verdade 2 meses, a gente se conhece a 6 mas só começamos a namorar faz 2 meses – explica Liz na maior paz do mundo enquanto olha nos olhos de seu amado.
- Então vocês estão saindo a 2 meses?! – questiona a minha tia já bufando de raiva.
- Saindo não, namorando. Ela é minha cinderela e eu sou seu vagabundo, né mozão?! – explica Rodinei também na maior paz do mundo enquanto olha nos olhos de Liz.
- É baby!

E os dois dão aquele beijo de sucção que eu não sei onde começa um e termina o outro.


OK, essa noite acaba de se tornar mais interessante do que qualquer jantar no Outback e fico muito feliz por aqui! TRAGAM-ME MAIS VINHO!


- Escuta aqui, rapazinho...

E quando minha tia ia partir para cima do pobre e apaixonada Rodinei, eis que a mãe de Chouri intervém afim de acalmar seus ânimos:
- Que bom que temos mais um convidado nessa noite tão especial! Agora vamos celebrar a união de dois casais apaixonados! De diferentes gerações! Isso é tão lindo! E onde comem 1, comem 2, onde comem 2, comem 4... certo?
- Certíssimo! – concorda Chouri também tentando apaziguar os ânimos – Aliás mãe, a senhora bem que já poderia servir esse Bacalhau aí, eles está com uma cara ótima e eu tô varado de fome. O que acham? Vamos todos comer?
- Pô, já é! Tô verdão de fome também, aí! – diz Rodinei puxando Liz para perto da mesa.

Minha tia continua irritada com toda aquela situação mas lhe resta disfarçar, engolir a raiva a seco e voltar a estampar o mesmo sorriso falso que lançou a mim minutos atrás. Ela então se senta na ponta da mesa enquanto eu e Chouri nos sentamos do lado direito, Liz e Rodinei do lado esquerdo e tia Regina na outra ponta da mesa.

- Que mesa harmoniosa, Amém! – diz tia Regina numa educação exemplar.
- Bom, vamos fazer as preces? – pergunta a minha tia.
- Vamos – concorda Regina – Alguém quer fazer as honras?
- Aaah eu! EU! Eu quero! Eu quero! – se oferece Rodinei.
- Muito bem, Rodinei! Gostei desse seu entusiasmo! Por favor, faça a prece – incentiva tia Regina.
- Beleza... então... grande Deus... mestre JC... assim, só tenho a agradecer por essa bóia que nóis vai filar hoje porque tem mô galera lá fora passando fome, passando mô friaca na macaca e nóis tá aqui de boa, no conforto e nóis somos muito gratos por essa parada, tá ligado? Na moral Deus, valeu! Fé em tu e nas crianças! Amém!
- ...
- ...Eu disse AMÉM!
- AMÉM!!!!! – respondemos todos meio “DA FUCK?”
- Aí baby, isso foi lindo! Você é tão sensível... – diz Liz lhe dando outro beijo de sucção.


E minha tia, é claro, bufa de raiva. Gente eu tô amando MUITO essa noite!

- Bom, vamos comer! BON APPÉTIT! – anuncia tia Regina.
- SIM, Bacalhau! – diz Chouri já com o prato na mão.
- MAIS VINHO! – digo erguendo a minha taça.
- Aí Deus... eu vou colocar uma música pra gente escutar – diz minha tia já visivelmente frustrada.

Ela então pega o celular e o conecta ao amplificador e escolhe uma do bom e velho Frank Sinatra para embalar o nosso jantar, mas mal ele começa a cantar e Rodinei já se manifesta (ele ainda não se deu conta do perigo que está correndo ao encarar essa bruaca):
- Que música parada, na moral, por que não escolhe algo numa vibe mais de boas?
- ...vibe mais de boas... – e minha  tia o olha com um olhar de reprovação.
- É, algo tipo Projota.
- ... Pro de quê?
- Me empresta teu celular aí.
- ... – ela nada diz, só o encara em silêncio.
- Vai mãe, empresta o celular para o Rodinei! – pede Liz.
- ... – ela continua muda e sem se mexer.
- É tia, empresta o celular pra ele! – eu peço só para provoca-la.
- ... – e ela continua muda, sem se mexer e lança o olhar congelante na minha direção.
- Vamos amiga, empresta o celular ao Rodinei e vamos ver o que ele tem a nos oferecer – pede Regina.
- AFF! Está bem! – e ela cede.
- AEEEEEH!!!! – e todos comemoram.

E a contragosto ela entrega o celular a Rodinei que, na hora, abre a playlist de Projota e escolhe uma música e a dedica a Liz:
- Pra você, mozão!


Música de cena:


- Aí baby, como você é profundo! – diz Liz lhe dando mais um beijo de sucção!


- Eu mereço... – e minha tia leva a mão a cabeça e se controla pra não furar os olhos de Rodinei com a faca de manteiga!

Eu só consigo segurar o riso. Sério gente, esse sujeito está salvando a minha noite, o conheço só a meia hora e já o amo e o quero levar pra vida!

Chouri percebe que estou me divertindo com o desconforto da minha tia e decide me provocar:
- Gata, já contou para a sua tia como foi que você me pediu em namoro? – questiona ele antes de dar a primeira garfada no seu bacalhau.

Filho da puta... sem querer ofender tia Regina!

- Então foi você quem o pediu em namoro? – minha tia leva um susto.
- É, foi, qual o problema? – questiono com rispidez.
- Problema nenhum, eu acho isso até moderno.. Conte-nos como foi o pedido?

Olho rapidamente para Chouri e depois para tia Regina e depois para Rodinei e Liz e, por fim, respiro fundo e olho em direção a minha tia e conto (mais ou menos) como foi o pedido de namoro:
- Foi depois de uma briga, eu usei um monte de brigadeiros para lhe pedir desculpas e ele adorou! Então nos abraçamos e foi aí que fiz o pedido.
- Aí que fofo! – diz Liz.
- Sim, muito bonito... mas por que brigadeiros? – pergunta tia Regina
- Aaah... porque... porque...

Agora é Chouri é quem está se divertindo com a minha angustia. Ele sabe que não posso e nem vou falar do episódio do brigadeiro mágico. Então sou obrigada a distorcer os fatos:
- ...porque o Antônio adora brigadeiros! E foi a maneira que eu encontrei de “adoçar” a nossa relação.
- Aaaah que coisa mais meiga, cara! – diz Liz fazendo um coraçãozinho com as mãos.
- Realmente, isso aí teve sentimentos! – Concorda Rodinei.
- Mas o Antônio nunca ligou muito para brigadeiros. Na verdade a paixão dele é paçoquita! De onde veio essa paixão repentina por brigadeiros? – estranha tia Regina.

FUDEO!

- Aaah foi... foi comigo! Eu sou chocólatra, vocês sabem, e sempre faço brigadeiro de panela e aí ficamos comendo enquanto assistimos a filmes e tal, então meio que se tornou o símbolo do nosso amor! HAHA!

Essa foi boa!

- Olha, que coisa, o amor muda as pessoas, muda até seu gosto gastronômico! – brinca tia Regina.
- E também o Antônio adora uns brigadeiros que o irmão dele traz da Europa, né amor... – agora sou eu quem lança o meu veneno.

E ele chega a se engasgar com o bacalhau que estava em sua boca.

- Brigadeiros da Europa? – e tia Regina continua sem entender nada.
- Foi uns chocolates que o Joca trouxe pra mim da última vez que veio me visitar, mãe. A senhora sabe, ele sempre me dá esses quitutes deliciosos. A Senhora mesma comeu uns que ele lhe deu de presente! – explica Chouri também conseguindo se safar.
- Aaah sim, verdade. Esse menino, o Joaquim, é muito generoso, sempre que vem ao Brasil faz questão de me visitar e me traz alguma coisa de lembrança, da última vez me trouxe uma caixa de Ovos Moles de Aveiro, uma delícia!
- Uuuh, me deu água na boa agora... – diz minha tia já mais calma.
- Portugal tem mesmo uns doces deliciosos, sempre que vou lá volto com uns 5kg a mais! – brinca tia Regina.
- Aaah eu sou louca para conhecer Portugal e outros países da Europa.
- Nós podíamos marcar uma viagem em família, para as próximas férias. Se formos todos juntos saí bem mais barato do que viagens individuais. Se bem que eu acho que o Antônio vai querer levar a Camila numa viagem mais intima. Quem sabe em Lua de Mel... ;)
- WHAAAAAAAAT?! – digo levando um susto.

E Chouri mais uma vez se engasga com a comida! QUE PAPO É ESSE DE LUA DE MEL?

- Mãezinha... pra ter uma Lua de Mel é preciso ter um casamento! – questiona Chouri.
- Não brinca?! Mas é a isso mesmo que eu me refiro!
- Mas mãezinha... HEHEHE... eu só acho que é MUITO cedo pra gente falar sobre isso.
- É, PELO AMOR DE JEOVÁ! EU E CHOURI ESTAMOS NAMORANDO NÃO FAZ NEM 1 MÊS! – digo quase que gritando.
- Camila olha o timbre de voz – pede minha tia já perdendo a compostura de novo.
- Você chamou ele de Chouri! Agora terá de pagar 25 centavos! Essa não é a regra da brincadeira? – diz Liz que reparou no meu deslize.
- Aí merda, desculpa. É Antônio, ANTÔNIO! – brigo comigo mesma.
- Camila, olha o palavreado – pede a minha tia já com raiva.
- Eu acho tão fofinho quando você o chama de Antônio... – diz tia Regina.
- Eu também! – concorda Liz.
- Chou... o quê? – pergunta Rodinei.
- É o apelido dele, Chouri – explico - seria diminutivo de chouriço. Os meninos do Miraflores implicavam com o Antônio e o chamavam de chouriço, daí eu tive a brilhante ideia de dizer que o termo correto era Chouri por causa de uma música do The Clash e o apelido pegou.
- ... Aaah... – e Rodinei cagou pra isso.

OK, né.

- Enfim, o ANTÔNIO e eu não estamos mesmo pensando em casamento agora, afinal estamos juntos a tão pouco tempo...
- Mas vocês já se conhecem por uma vida toda! Isso não conta? – questiona minha tia.
- A gente se conhece como amigo, agora estamos nos conhecendo como um casal, o que é diferente.
- Bom eu me casei com o pai da Liz apenas 6 meses depois de nos conhecermos.
- E deu no que deu, né?

SILÊNCIO TOTAL! Minha tia me lança o olhar mais furioso (E PUTO) do mundo! AÍ CARALHO, FALEI SEM QUERER, JURO! Não queria ofende-la desse jeito, me escapuliu! CAMILA FALA ALGUMA OUTRA COISA PRA AMENIZAR A SITUAÇÃO! FALA ALGUMA COISA MELHOR DO QUE O SEU ÚLTIMO COMENTÁRIO! FALA ALGUMA COISA INTELIGENTE! FALA, CARALHO!

- Bom, pode não ter sido uma união que deu certo mas rendeu um fruto lindo! Olhem para a Liz, que princesa! Que presente de Deus! HEHEHEHE!
- Verdade, eu sou a melhor coisa que você poderia ter tido! – afirma Liz se vangloriando para a mãe.
- ... verdade, você foi a melhor coisa – e minha tia, já mais calma, concorda.

UFA! Escapei por pouco! Tomo outro gole generoso de vinho e peço mentalmente a Deus que faça com que alguém cometa outra gafe afim de amenizar a minha.

- Pô, poço botar outra música do Projota? – pede Rodinei.

Aí está a outra gafe. Valeu Rodinei, ainda quero te levar pra sempre por toda a vida.


Entre altos e baixos, erros e acertos, o jantar até que correu bem. Agora é hora da tão esperada sobremesa! SIM, SIM, mande o Pavê Mineiro!

- Aqui está, o pavê – diz minha tia colocando aquele recipiente lindo e enorme bem no centro da mesa.

Minha vontade é mergulha nele igual o Júnior de Sandy & Júnior mergulhando na banheira de miojo!



OK, menos, minha vontade se limitar a comer só metade de todo o pavê. Só isso tudo! E assim que minha tia me entrega a taça com o doce, não resisto e tiro uma foto para compartilhar nas redes sociais e ostentar!

“Encerrando, da melhor maneira possível, o meu jantar de Dia dos Namorados. Sério, esperei a noite todo por ele! Meu boy que me desculpa mas quem ganhou o meu coração foi o Pavê Mineiro, HAHAHAHA! #12dejunho #ICouldKillForDessert #iamhereforyou”

Pronto, legenda feita, hashtags estrategicamente escolhidas, hora de postar... e postei... e antes não tivesse feito isso porque ao postar aquela imagem no instagram eu não resisto e olho quem mais postou alguma coisa e eis que vejo uma foto nova do Pedro... com aquela tal de Marjorie... Marjorie... Marjorie Estiano... digo, Marjorie Trindade... lá está ele ao lado dela, tomando um chopp num bar chamado “THE BAR”, AFF! Não sei se quero matar ou morrer com aquela foto... EPA, peraê, eu não deveria querer nenhuma das duas coisas! Eu estou no meu jantar para “celebrar o amor” então tá tudo de boas! E que se foda o Pedro!

- Gata? – pergunta Chouri me tirando dos meus pensamentos.
- QUÊ?! – me assusto.
- Tá tudo bem?
- Tá, tá tudo bem sim, por quê?
- Porque você ficou com uma cara... o que viu aí no celular?
- Nada! Bobagem! Vem aqui, vamos tirar uma selfie juntos!

Sim, chamei o Chouri para tirar uma foto “muito de casal” e fiz questão de postá-la no meu instagram afim de que o Pedro fosse ver. A imagem saiu linda! Mais linda que a do Pedro com a tal de Marjorie! CHUPA ESSA, OTÁRIO! Agora dá licença que meu pavê está esquentando.


10h54 pm
Por incrível que parece o nosso final de jantar foi muito agradável. E até que o papo estava bom mas já era tarde, hora de ir para casa. Amanhã ainda é terça, dia normal de trabalho então não posso me dar o luxo de continuar bebendo e tagarelando até o dia clarear (não que eu não queira fazer isso).
Me despeço de Liz, de Rodinei (gostei mesmo dele!), de tia Regina e de minha Tia. Depois chamo o Chouri e voltamos para a minha casa. No meio do caminho fico ruminando aquela foto de Pedro com a tal de Marjorie e penso na “resposta indireta” que mandei à eles, com aquela minha selfie com Chouri. Que patético! Não havia necessidade de eu agir assim. Sério, não tenho mais nada com o Pedro e a vida seguiu. Hoje eu estou com o Chouri e ele com essa garota então por que isso me incomoda tanto?

OLHO PARA A CÂMERA E FALO:
- Eu tenho que ignorar o que está acontecendo na vida do Pedro e focar no meu relacionamento atual.
Tiro o celular da bolsa, abro o instagram, procuro pelo perfil de Pedro e clico na opção DEIXAR DE SEGUIR. Pronto. Feito. Melhor assim. Agora vou no Facebook, procuro pelo perfil dele e clico em notificações e peço para não ser mais avisada de nenhuma nova postagem da parte dele. Vamos seguir sendo amigos nas redes sociais mas não quero mais ver nada de sua vida. Melhor assim. Melhor decisão EVER.

MÚSICA DE CENA:

Chegamos no meu apê, seguro Chouri pela mão e o levo até o meu quarto.
- Chegou a hora de te dar o seu presente... – digo.
- UUUUUUUH!


- Deixa de ser malicioso, rapaz! É presente mesmo, algo físico, aquilo que fui comprar no Botafogo Praia Shopping e que você NÃO me ouviu falar ao telefone enquanto tinha um ataque de pelanca com o segurança.
- Ah tá, a tal fronha de travesseiro... sério que vai me dar isso?!
- HAHAHA, sim e não... calma que você vai ver...


Sento o Chouri na beira da minha cama, vou até meu armário e tiro uma caixa com embrulho preto fosco que tem um laço prateado por cima. É, eu caprichei! Chouri fica bobo com todo aquele cuidado! Entrego o presente a ele e ele abre como uma criança empolgada no Natal! E ao ver o kit fica todo bobo, feliz e sem graça ao mesmo tempo!

- É um kit de “Boas Vindas a minha Casa e Cama”. O pijama é para quando você dormir aqui, a escova de dente dispensa apresentações, a caneca é pra quando você for tomar café da manhã comigo e o travesseiro é seu, vai ficar na minha cama mas quando você vier pra cá, é ele que vai usar porque é o seu travesseiro exclusivo.
- E foi você quem escreveu essa frase nele?
- Foi sim! Acho que representa bem a nossa relação, não é mesmo?
Comprei uma fronha de cor preta e, com tinta branca, escrevi “Gosto muito da minha cama, gosto mais quando você está deitado nela”.
- Espero que goste. – digo
- ...Eu... adorei :D

E ele coloca a caixa de presentes de lado, segura o meu rosto e me dá um beijo doce e carinhoso. Sinto tanta sinceridade nesse beijo que chego a ficar sem graça.

- Agora eu espero que você goste do seu presente.

E ele pega a sua mochila e tira de dentro dela um embrulho todo cor-de-rosa e com uma nuvemzinha branca desenhada na caixa. AÍ MEO DEOS, é da Imaginarium... AÍ MEO DEOS, não pode ser... AÍ MEO DEOS, É! É isso mesmo... AÍ MEO DEOS, a luminária de Sorvete de Morango! AAAAAAAAAAAAAAAAAH!




- Chouri, a luminária!
- EPA! ME CHAMOU DE CHOURI! PAGUE 25 CENTAVOS!
- AAAAAAAAAAH PORRA!
- HAHAHAHA, tudo bem, hoje você pode me pagar com beijinhos! – ele ironiza.
- Aí obrigada amor, eu adorei! – digo abraçando bem forte a luminária.
- Gata, tem mais, olha no fundo da caixa.
- O quê?

Pego a caixa novamente e vejo que há outro embrulho bem lá no fundo, um menor. O presente também é da Imaginarium mas o que pode ser?... Quando rasgo o embrulho me deparo com algo tão lindo e singelo... é um porta-retratos vermelhos, todo cheio de elementos relacionados a amor, e com uma frase em azul que diz “Onde o EU encontra VC” e a foto é de nós dois, ainda crianças, brincado no pátio do colégio Miraflores.

- Chouri... Antônio... isso foi lindo :´)
- Pois é, foi onde o meu eu encontrou você. Pra não nos esquecermos nunca disso.
- Eu nunca vou esquecer, pode acredita.

E com lágrimas nos olhos eu o abraço bem forte. O danado acertou em cheio em tudo! E é aí que eu percebo que o melhor que eu posso fazer, em nome da nossa relação, é esquecer o Pedro de uma vez por todas. E assim vai ser.

FELIZ DIA DOS NAMORADOS A TODOS.

Eu gosto de brincar de ser blogueira e aqui eu vou compartilhar com vocês um pouco do meu trabalho como designer e cool hunter. E também vou mostrar as novidades do mundo atípico e como fazer para interagir com esse universo porque... né!

0 comentários:

Postar um comentário

@cacaudossantos
+55 21 9999-31199
Bairro das Laranjeiras, Rio de Janeiro - Brasil

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *