Bem-vindos ao meu site!

Cacau dos Santos

Designer Web Designer Cool Hunter Mídias Sociais e nas horas vagas... Blogueira!

17 março 2017

Licor de Cacau - 1ª Temporada - #3 - PROFISSÃO YOUTUBER

  • março 17, 2017
  • by
Imagem: Unsplash

(1) Sobre fundo preto surgem, em letras brancas, sucessivamente, as seguintes frases:

AVISO: A história a seguir contém linguagem atípica, palavrões, termos em inglês, muitos pontos de exclamação e referências da cultura pop e, devido ao seu conteúdo, este pode causar crises de risos e nostalgia aos leitores. Todos os personagens e eventos - mesmo aqueles baseados em pessoas reais - são fictícios. Se por ventura você se identificar com algo que foi escrito ou com alguém citado, isso significa que a sua loucura se parece um pouco com a minha e aproveite esse momento de coincidência para me seguir no instagram: @thecacaudossantos

(2) As frases desaparecem em fade e surge título da série seguida da primeira cena

LICOR DE CACAU
EPISÓDIO 3 – PROFISSÃO YOUTUBER
Escrito por: Cacau dos Santos

Rio de Janeiro, bairro das Laranjeiras
6 de fevereiro de 2017
21h00 pm 

CÂMERA EM PLANO GERAL
Estou em pé de frente a Pedro, encostada no balcão da cozinha, calada, abasbaquada e absorvendo lentamente o que ele acabou de me dizer. E depois de alguns segundos em silêncio eu finalmente me manifesto:
- Como assim você tá voltando pra Juiz de Fora?
- É, eu...  - ele pausa por alguns segundos - ... eu preciso voltar.
- E por que isso agora?
- Por causa do meu pai, ele está doente. Minha família precisa de mim.

Respiro bem fundo e dou um gole generoso do meu vinho.

- O que ele tem? - pergunto.
- Não sabemos ao certo, minha mãe acha que...
- ...que?
- ... - ele faz outra pausa, dessa vez mais longa.
- ... que o quê? Fala Pedro! Não me deixa nessa angústia! - pergunto elevando o tom da minha voz.
- ...ela acha que pode ser câncer.

OLHO PARA A CÂMERA E BERRO EM TOM DE IRÔNIA
AAAAAAAAAAAAAAH câncer, tinha de ser você de novo! Já não bastasse o que fez com a minha mãe e agora isso! Miserável!

Olho de novo para Pedro e retorno a conversa:
- Agora eu entendi sua hesitação.
- É, e eu sabia que você ia ficar assim. - fala ele sério.
- Assim como? - estranho.
- Assim, alterada.
- EU NÃO TÔ ALTERADA!
- Aham, tô vendo...  

E ele se levanta do sofá e vem em minha direção. Por 1 segundo eu acho que ele vai me abraçar ou beijar ou algo do tipo mas não, apenas pega a garrafa de vinho que estava ao meu lado e enche mais a sua taça. Pedro se encosta na bancada ao meu lado.

- Seria qual tipo de câncer? – Pergunto
- No fígado.
- Porra...
- É...
- ... E você vai quando pra Juiz de Fora?
- Esse final de semana.
- É O QUE?! – Grito! Grito tão alto que assusto Cake que já estava pegando no sono.
- Camila calma. - pede ele num tom de voz tranquilo.
- Eu tô calma, que saco! Mas estou começando a ficar puta da vida com você achando o oposto!
- Tá bom, o negócio é o seguinte: final do ano passado a minha mãe me ligou e me contou o que estava acontecendo e me pediu para voltar.
- Final do ano passado? Peraê, estamos em fevereiro e você só vem me contar isso agora!
- Sim!
- E por que não me disse isso antes?!
- Porque foi seu aniversário e logo depois você saiu de férias e eu não queria estragar nada, você e a Fabricia não falavam em outra coisa nos últimos 6 meses a não ser nisso. Era o seu momento e eu não queria estraga-lo.
- Aí Pe... – Daí viro o rosto para o lado numa tentativa frustrada de segurar o choro (CONTENHA ESSAS LÁGRIMAS, VEADA!)
- Daí eu fiquei aqui, preparando tudo, me organizando e tomando coragem de te contar a verdade.
- Mas e o seu trabalho?
- Essa é minha última semana, meu chefe entendeu o caso e falou que minha vaga estará disponível caso eu precise voltar daqui a um tempo.
- E você vai voltar?
- Pretendo, se tudo der certo. - e ele abaixa a cabeça numa expressão de tristeza.
- Vai dar certo, precisa dar certo! - falo tentando passar confiança e otimismo. 

Ele continua de cabeça baixa e em silêncio. Quebro o gelo fazendo outra pergunta:
- Vai de carro, ônibus ou avião?
- Carro, o Leo vai me levar.
- O Leo vai com você?! - me assusto.
- Vai sim, vai me ajudar a levar minhas coisas pra casa e, de quebra, rever a família. Depois ele volta. 

Leo é o primo do Pedro, que mora no Rio a quase 10 anos já, e os dois dividem um apê com + 1 amigo, no bairro de botafogo. 

- Então você viaja o que? Sexta? Sábado?
- Domingo de manhã. Sexta é meu último dia na firma e vai ter happy hour com a galera do trabalho, sábado vou descansar na parte da manhã e a noite rola despedida com o pessoal, e domingo bem cedo a gente viaja, a noite já estaremos lá.
- A Valentina já sabia disso?
- Sabia.
- Quenga. Ela me paga por não ter contato nada.
- Eu que pedi pra ela não contar, eu que queria lhe dar a notícia. 

E rola mais um momento de silêncio entre nós. 

- Você tem noção que está partindo numa hora não muito favorável.
- Tenho.
- E que eu realmente preciso de você e de sua companhia.
- É, eu sei.
- E que jamais eu pediria para você ficar porque não tenho moral para lhe pedir isso e mesmo que tivesse eu jamais faria uma coisa dessas porque é o seu pai, é sua família e eles precisam de você mas vai doer te ver partir.

- É, eu sei... – e seu semblante fica triste.

- Então Pedro... aí caralho... que merda isso tudo.

- Nem me fale. 


E damos um gole em nossos respectivos vinhos ao mesmo tempo.  


- ...Quer dormir aqui hoje? – Pergunto.

- Não vai dar, acordo cedo amanhã para o trabalho e não trouxe nenhuma roupa. Vim aqui mesmo só com o proposito de conversar com você.

- Entendo.

- Aliás tá ficando tarde, preciso ir... você vai ficar bem?

- Tentarei.

- Vai extravasar sua raiva desenhando?

- Assistindo a algum filme, na verdade.

- Maratona Oscar 2017?

- Amy Adams merecia ter sido indicada. - afirma ele como se fosse um expert no assunto
- Sim mas ela não ia ganhar mesmo, esse ano é da Emma Stone por “LA LA LAND”, mas ainda acho que quem merece esse Oscar é a Isabelle Huppert por "ELLE". Enfim, pobre Amy, é o novo Leonardo DiCaprio.
- HAHAHAHA, boa!
- J - e sorrio aquele sorriso de Monalisa, sem dentes, mas o sorriso mais triste que vocês podem imaginar.
- Eu vou chamar um Uber pra casa, tudo bem?
- Tudo bem. - respondo tentando parece bem mas, na verdade, estou triste. Queria que ele ficasse.

E o Uber não leva nem 7 minutos para chegar até a minha casa, como tem carro circulando por esses lados. Pedro se despede de mim com um beijo na minha testa mas antes de partir só consigo lhe dizer uma coisa:
- Pedro, volta.
- Voltarei. J - garante, me mandando um sorriso de Monalisa tão triste quanto o meu. 
E com isso encerramos o nosso assunto, a pizza ficou para o dia seguinte. Perdi completamente a fome.


11h37 pm
A fome voltou e eu comi quase que toda a pizza.

OLHO PARA A CÂMERA E FALO:
- Qual foi? É metade calabresa e metade champignon!


11h52 pm
Conversa pelo Whatsapp
EU: Você me paga por não ter falado nada da mudança do Pedro!
VALENTINA: Camila, por favor! Ele me pediu pra não falar, achou que eu fosse fazer o que? Anunciar no jornal? Me poupe, né.
EU: Princípios e prioridades, BEO ABOR!
VALENTINA: Tô plena e prospera com relação a isso.
EU: HAHAHAHAHA xD
VALENTINA: Nos vemos amanhã na minha casa?
EU: Nos vemos amanhã na sua casa. Bjs.

Rio de Janeiro, bairro das Laranjeiras
7 de fevereiro de 2017
9h02 am

PLAYLIST DA CENA:




O lado bom de se estar em casa: agora tenho mais tempo para dar atenção a aqueles amigos que mal conseguia ver quando estava empregada. Valentina é um desses amigos. Depois do café da manhã vou até a casa dela no Rio Comprido para colocarmos o tricô em dia. Aaaah Rio Comprido, eu gosto mesmo de você, saudades do tempo em que morei aqui, dividindo apartamento com a Letícia, foi logo depois que minha mãe faleceu e eu sai de São Gonçalo, foi aí que a metamorfose começou.... enfim, cheguei até a casa de Valentina e fui recebida por Virginia, atrasada para o trabalho, como sempre.

- Oi Cacau, entra aí, tô atrasada para o trabalho, como sempre. Valentina tá no quarto, vai lá. Beijos, depois nos falamos. DUDA VEM LOGO, CARAÍ! 

E em menos de 10 segundos, Virginia consegue me dar oi, me dar tchau, berrar com o Duda (seu marido), sair com o Duda e me deixar sozinha na sala. É Virginia sendo Virginia!  Vou até o quarto de Valentina e a encontro sentada na beira da cama, conversando com alguém no celular.

- Daí é isso, eu mando minha parte do trabalho ainda hoje pra você dar uma olhada. E não deixa de cobrar a Regina, se ela não entregar sua parte da tese então eu não aceito colocarem o nome dela nesse trabalho, só faltava essa, terceiros conseguindo notas as minhas custas!... Tá... Tá ok então. Beijos, até mais tarde... Oi Camila.

- Oi Tina, tudo bem?
- Tudo, me coloca na cadeira, por favor.
- Claro!

Valentina é cadeirante, nasceu com Atrofia Muscular Espinhal e quando andamos na rua e as pessoas lhe perguntam “foi acidente?”, ela vira e responde na maior tranquilidade “Não, passei a noite com um negão, nunca viu ‘As Branquelas’? Lá explica melhor como isso acontece.” Que mulher!  Mas acreditem, ela é a pessoa mais ágil, mais competente e mais filha da mãe que já tive o prazer de conhecer. Amo e admiro Valentina, não porque ela é uma cadeirante que supera todos os preconceitos e limites mas porque ela é uma mulher digna de ser admirar.

A pego no colo e a coloco em sua cadeira de rodas que está ao lado de sua cama e depois me sento a sua frente. 

- E aí, como você está? – pergunta ela.
- E como você acha que eu estou? Devastada! Sem chão! Por que, Tina? Hein, me diz por que? Por que isso tinha de acontecer justamente agora? E envolvendo essa doença? É uma brincadeira de muito mal gosto do destino, viu.
- Também acho que foi uma infeliz coincidência mas Camila, entenda, ele não pode não estar do lado da família agora.
- Eu sei e nem vou cobrar uma coisa dessas, que fique por aqui enquanto o pai segue em tratamento contra o câncer. Não, de jeito nenhum! LOGO EU vou cobrar isso?! A questão toda aqui é que, pra mim, isso foi uma PUTA FALTA DE SACANAGEM!... Tem alguma coisa pra beber aí?
- Tem Dolly!
- Alguma coisa sem gás?
- Água.
- Alguma coisa sem gás mas com açúcar?
- Tem Tang, faz com água e põe açúcar.
- Alguma coisa com açúcar mas que seja natural?
- Aaah vápáputakipariu pô! - e ela já começa a perder a paciência.
- Tá, faço Tang pra gente, já volta. Grossa. 

10 minutos e 2 copos de Tang depois:

- Tina, sério, não sei como vai ser à partir de agora, se antes as coisas já eram complicadas com ele estando perto, imagina se mudando pra Pindamonhangaba do Sul?
- É Juiz de Fora.
- DÁ NO MESMO! O cara vai estar longe e uma coisa que já era sem sentindo agora vai ser sem sentido e inexistente. Pelo menos era bom um sem sentido mas com ele perto e eu podendo lhe dar uns pegas sempre que batia a carência!
- O que era sempre.
- Aaaah qual foi, Tina?! Sabe, o melhor a fazer é deixar essa história toda pra lá e seguir apoiando o cara apenas como amiga. Vai doer menos e com isso me livro da culpa de querer seguir em frente e querer me envolver com outros caras.
- Se é assim que você quer.
- É, é isso o que eu quero e é assim que vai ser. Claro que se ele quiser conversar comigo, como amiga, eu vou estar lá. Isso não vai mudar. Só não vamos mais ser amigos que transam de vez em quando, certo?
- Se você assim determinou então é certo, sim.
- Então tá ótimo, eu e o Pedro vamos seguir como amigos.
- OK.
- OK... Ufa! Você é a melhor! 

Sim, eu chamo Valentina de Tina e ela me chama de Camila e não de Cacau, e sim, Valentina faz faculdade de psicologia e com isso ela vira minha psicóloga de plantão. Mas não me julguem por explorar minha amiga, ela também faz o mesmo, me explora como designer quando quer que eu imprima cartões de visita pra ela! 

- Tava falando com quem no telefone quando eu cheguei?
- Com uma colega de faculdade, estamos fazendo um trabalho em grupo e cada uma ficou de escrever uma parte de uma tese e, claro, sempre tem aquela que fica na aba do chapéu. Clássico.
- Sei... e cadê a sua mãe? Tô achando essa casa muito vazia hoje.
- Já deve estar chegando, foi no mercado. Camila, te chamei aqui para conversarmos sobre uma coisa muito sério.
- AAAAH MEO DEOS, lá vem! Dá última vez que ouvi isso foi quando o Pedro queria me contar do estado de saúde do pai.
- Relaxa, meu sério não envolve nenhum problema de família e nem de saúde, pelo contrário, é sobre trabalho.
- OPA! Isso muito me interessa! Preciso ganhar dinheiro com freelas, você sabe.
- Então você vai mesmo tirar um tempo para trabalhar por conta própria?
- Vou Tina, já está decidido, é melhor assim. Não tenho mais paciência e nem força física, moral e psicológica para lidar com o mercado de trabalho atual.
- Pois sabe que eu acho que vai ser bom pra você isso, essa fase independente, você vivia para o trabalho, nunca estava livre para você mesma e quando estava vivia cansada, resmungona, quase não te via e quando via estava com uma cara triste. Agora que está aqui e nessa situação, você e está com uma expressão radiante!
- Sério?
- Sério! Sei que está triste pelo lance do Pedro mas dá pra notar que, fora isso, você está mesmo feliz com essa decisão trabalhar como autônoma. 

E Valentina estava certa, eu estava mesmo feliz com essa nova fase profissional. 

- E assim como você eu também venho pensando em fazer algo por conta própria, ou melhor, fazer algo diferente do que se esperam de mim.
- Como assim?
- Tenho uma coisa pra te mostrar, uma coisa que descobri a pouco tempo. – e ela pega o celular e abre o youtube. Digita o nome de alguém e me mostra – Olha isso aqui, olha bem para isso.
- O quê que é?
- Só olha.
- Tá bem:



Ok, sinto que desperdicei 1:58 da minha vida.
- WHAT HELL?!!!!! - Pergunto abasbaquada!
- HAHAHAHA, calma que tem mais, olha. - e ele mostra a tela do celular pra mim novamente e outro vídeo se inicia:





Ok, mais 1:14 perdidos da minha vida!

- Valentina você tá falando sério? Que porra é essa?! Quem é Dara Chrislayne? - questiono muito puta da vida.
- A nova youtuber que você vai amar odiar, se bem que, confesso, a acho engraçada! - ela fala sério, bom, sério rindo!
- QUE?! - me assusto
- Sério, morro de rir com ela! Perco horas e horas assistindo seus vídeos. Lembra aquele dia que não pude ir a aula porque estava sentindo muita dor na coluna? Então, foi a Dara quem me anestesiou, o Duda a achou no youtube e a mostrou a Virginia que me mostrou e, quando dei por mim, já estava seguindo o canal dela. Dara é isso, escrachada, sem noção, desbocada, afrontosa, desclassificada, do povo, uma figura! Ela começou postando vídeos curtos no youtube pra provocar as inimigas e mostrar os atributos “herdados por mamãe” e também pelos seus boys e quando foi ver, já tinha mais de 1500 inscritos no seu canal. E olha quantas visualizações há nos seus vídeo.
- PORRA! 11.065 visualizações!
- Uh hum, quer mais? Ela tá começando a ganhar coisas das pessoas pra fazer propaganda.
- Tá de zoa?!
- Tô não, e não vai demorar muito pra começar a ganhar dinheiro do youtube.
- Aaaaah francamente, cara, como é que uma pessoa que não fala nada por nada faz sucesso na internet e ganha dinheiro com isso?! Com tanta gente com conteúdo por aí...
- ESSE É O PONTO! É ISSO O QUE QUERO FALAR! - fala ela apontando o dedo na minha cara - Ganhar dinheiro com conteúdo! Camila, você sabe que várias pessoas já vieram me falar que sou uma ótima oradora, que sei falar e explicar determinadas coisas que outra cadeirantes não conseguem ou não tem o “molejo” que eu tenho. Sabe que gosto de ajudar e dar conselhos e de explicar aos não cadeirantes que nossas limitações não nos impedem de pensar como eles ou de desejar coisas como eles e nem de correr atrás o do que queremos. Eu quero dizer ao mundo que sim, nós estamos aqui e pensei “por que não fazer isso no youtube?”.
- Então... você quer virar youtuber?! - exclamo.
- Bom... sim! Digamos que sim. Eu tô mesmo afim de criar um canal para o youtube contando um pouco da minha vida, mostrar a minha rotina e também falar de determinados assuntos para cadeirantes, não cadeirantes e/ou pessoas ligadas a cadeirantes. Se Dara Chrislayne conseguiu mostrar sua realidade e atrair seguidores então acho que consigo o mesmo. O que acha?
- Tina... - fço uma rápida pausa - Acho essa sua ideia ÓTIMA!
- Sério?
- SÉRIO! E não tô falando isso só porque você é minha amiga e quero agradá-la, tô falando isso porque eu acho mesmo que essa ideia é boa e acho que você tem muito a dizer aos outros e se pode usar as redes sociais pra isso, então faça!
- Sim, muito prospera essa oportunidade, não é mesmo?
- “Prospera”, agora entendi de onde tirou esse bordão que anda falando sem parar, veio dessa mulher aí!
- HAHAHAHA, sim, agora tudo aqui em casa é “prospera”, “herdei” e “afronta”!
- Não rola “peruzau” também, não?
- Só entre a Virginia e o Duda...
- ...
- ...

Ficamos em silêncio por alguns segundos para, em seguida, cairmos na gargalhada, mas rimos de a barriga doer! 
- HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!
- HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!

Como é que pode uma coisa tão estúpida ser tão “afrontosa” ao mesmo tempo?! 

Risadas passadas eu me viro para a Tina e digo:
- Eu ajudo você se é isso o que quer. Não manjo muito de edição de vídeos mas já vinha pensando me fazer um curso para aprimorar isso pois, assim como você, eu também venho pensando em um jeito de ganhar dinheiro com o youtube.
- Vai criar um canal também?
- Na verdade não mas vou oferecer meus serviços de designers para youtubers, ou seja, faço a edição dos vídeos e também as divulgações nas redes sociais e toda a mídia digital necessária. Faço um pacotão de serviços e mostro a proposta aos interessados e se eles aceitarem a gente fecha um contrato e com isso todos lucram.
- Gosto disso!
- E você pode ser minha primeira cliente e utilizo seu canal no meu portfolio e com isso mostro seu material a outros interessados e ainda faço seu jabá, uma mão lava a outra e as duas lavam a face.
- Sim, perfeito!
- Já pensou nos tópicos que vai abordar?
- Tava pensando em falar de mim e das minhas experiências com a faculdade, relacionamentos amorosos com não cadeirantes e dia-a-dia.
- Você pode separar 1 tema por dia. Exemplo: segunda é bem estar, terça é faculdade, quarta é sexo, quinta é... sei lá... beleza! Dicas de beleza, produtos específicos ou como o design daquele produto foi pensando para ser utilizado por todos, o conceito da embalagem e tal.
- Adorei essa sua ideia!  

E acabou que passamos a manhã e quase que toda a tarde nisso, fazendo planos e trocando ideias sobre o canal que Valentina iria criar. E após esse braindstorm voltei pra casa mais animada e mais motivada em oferecer meus serviços de designer para pessoas reais, que querem e precisam de mim. Não é só pelo dinheiro mas é também porque eu gosto disso e me dá mais satisfação do que ficar presa dentro de um escritório, servindo para tubarões. Peixes pequenos em aquário me agradam mais. 

Assim que cheguei em casa e o celular se conecta ao WI-FI (por questões econômicas eu voltei para o pré-pago e tá foda fazer recarga a toda hora, então web no celular só pelo WI-FI de casa), comecei a receber várias mensagens no whatsapp, dentre elas, surpresa, haviam me adicionado num grupo novo chamado BOTA-FORA DO PEDRÃO.

Conversa pelo Whatsapp
ANA P.: Baixo Botafogo depois, galera?
KLÉBER: PORRA, JÁ É!
TONI: Leo só não pode beber muito como dá ultima vez, dando vexame, a garota pulou fora!
KLÉBER.: jajajaja, pode crer, ela vazou bonito com medo a versão bêbada do Leo! (Emoji de riso)
LEO: Qual foi, nem bebi tanto.
KLÉBER: Não, só entornou!


AFF! Adoro essas conversas paralelas de grupo, sqn. Silencio por 1 ano na hora! E quando vou ver as notificações do Face, mais BOTA-FORA DO PEDRÃO:

Ana Paula Toledo convidou você para o evento BOTA-FORA DO PEDRÃO
Sábado, 11 de fevereiro, às 20:00 – 00:00
Hell´s Burguer - R. Muniz Barreto, 805 - Botafogo, Rio de Janeiro – RJ


Sobre

Galera, como todo mundo sabe o nosso querido Pedrão vai voltar para Juiz de Fora no próximo domingo, dia 12/2. Por isso vamos fazer um encontro lá no Hell´s Burguer de botafogo, a hamburgueria preferida dele e dos meninos, e depois saideira no baixo botafogo! Conto com a presença de todos! ;)

Discussão
Daniel Brigs comentou
2h
Eu e a Mari estaremos lá!

Toni Matos comentou
22h
Leo, não vai cair bêbado como da última vez, não! Tamô de olho, leke!
1 pessoa curtiu isso

Leonardo Moreira respondeu
NÃO FODE.


Evento criado por Ana Paula... “hamburgueria preferida dele”, como é que ela sabe disso?... Respiro fundo e apenas clico no botão COMPARECEREI. Pronto, é oficial, Pedro partirá esse final de semana. E falando no diabo, eis que recebo whatsapp dele:

PEDRO: E aí, vai mesmo no sábado? 

Como sabe que acabei de confirmar presença no evento? Tá me stalkeando?... Menos Camila, ele devia estar online e deve ter visto minha notificação.

EU: Vou sim. – sou direta.
PEDRO: Blz, te vejo lá, então
EU: blz. Bjs
PEDRO: Bjs 

Que papo gostoso como picolé de chuchu. Tudo o que eu quero e preciso agora é de um bom banho e 1 taça de vinho. Dom Bosco, esse sim é um bom companheiro.


11 de fevereiro de 2017
6h58 pm 

Hoje é o dia, o tão comentado BOTA-FORA DO PEDRÃO. Mô galera confirmou presença que eu vi, não que estivesse monitorando tudo a semana inteira, não, apenas que, trabalhando em casa, deixo o Facebook aberto por questões de captar clientes e com isso as notificações vão aparecendo na minha tela, é só isso! Enfim, mô galera confirmou presença mas aposto que só meia dúzia de gatos pingados vai aparecer, dentre eles eu + Valentina + Virgina + Duda + Leo + Kléber + Toni + essa Ana Paula que mal conheço mas ela saiu me adicionando nas redes sociais pois viu que eu era amiga do Pedro e a sem noção aqui aceitou o pedido de amizade.  

Para a ocasião eu escolho um vestido bem justo cor bege (é trendy, povo, aceitem), que deixa meus ombros à mostra e tem um corte nas costas que exibe um pouco da minha pele. Ele é sexy? Ele é sexy! É pra provocar? É pra provocar! Comprei ele só pra essa ocasião? Comprei ele só pra essa ocasião! Porque a vida é assim, gente, você compra roupa pensando nas pessoas e na situação, nunca por você. Pra calçar, meu All Star branco. Maquiagem, o mesmo esquema: parece-cara-limpa-mas-tô-com-blur-mágico-BB-cream... aaaah vocês sabem. Além disso tô usando meu bom e velho delineador de gatinho que realça meu olhar. Se isso não mexer com os sentimentos do cidadão então não sei mais o que pode ser feito. Se bem que eu não quero nada com o Pedro hoje, só provocar mesmo, mas o lance de seguir só com a amizade tá de pé. 7h20 pm, passo meu perfume favorito, chamo o Uber e sigo para botafogo. Por ser Laranjeiras e Botafogo são bairros vizinhos e chego lá em menos de 20 minutos e, adivinhem? Sou a primeira a aparecer. Sento numa das mesas que fica do lado de fora e aguardo alguém chegar. Mando mensagem para o Pedro avisando que já estou ali e ele diz que já está à caminho. Beleza. E não demora muito para os convidados aparecerem e, que bom, veio mais gente do que eu esperava, o que prova o quanto esse cara é querido. Fico mesmo feliz por isso. Pena que não conheço ninguém então o papo é forçado e meio constrangedor, do tipo “tô falando com você mas queria mesmo era tá em casa vendo Vai que Cola ”, sabem? E eis que Pedro, Leo e Kléber aparecem, graças a Deus! Já não aguentava mais falar com gente que não tenho intimidade! Dou um pulo da cadeira quando vejo os três se aproximando.

- Oi gente!
- Cacau, que isso?! Tá gata hoje, hein! – Responde Leo batendo palmas – Vem aqui e dá uma voltinha, vai.
- Leo! Para!
- É, você tá muito bonita mesmo, hoje J - Fala Pedro me olhando de cima a baixo bem rápido e abrindo um largo sorriso sem dentes.
- Obrigada, você também tá muito bonito, cheiroso, quer matar quem com esse tanto de perfume que passou?
- HAHAHAHA, ninguém em especial.

Sentamos nos quarto na mesa que eu estava guardando, Pedro do meu lado e Leo a nossa frente, ao lado de Kléber, e não demora muito para Valentina, Virginia e Duda aparecem. Agradeço por isso também pois não queria ficar o tempo todo só socializando com Pedro para não parecer coisa de casal. Abrimos espaço para a cadeira de Tina e ela se sente na ponta da mesa, troco de lugar com o Pedro para poder ficar perto dela. 

- E aí, como se sente? – pergunta Tina.
- Bem, e você?
- Bem também, você tá tão bonita hoje.
- Obrigada J
- Sabe que fico muito feliz te vendo de cabelo natural, parece que isso realçou mais a sua beleza, aquele seu cabelo boi-lambeu era o fim da picada e te deixava muito artificial!
- Engraçado você falar isso porque depois que assumi minha crespisse eu me sinto mais bonita e confiante. E meu cabelo tá crescendo tão rápido! A progressiva acabava com os fios. 

Papo aqui, papo ali e Ana Paula chega para a confraternização e traz consigo um bolo que comprou na Lecadô. Aaaah qual foi, garota?! Forçou, hein! 

- Pedro! Seu lindo! Como você está? Não acredito que hoje é seu último dia aqui no Rio. Toma, bolo de chocolate, para adoçar seu bota-fora. GALERA, TROUXE BOLO PRA GENTE CELEBRAR A AMIZADE COM ESSE CARA FODA QUE VAI DEIXAR SAUDADES! – Grita ela para todos da mesa (e da hamburgueria) ouvirem.
- AEEEEEEEEEEEEEEEH!!!!!!!!! – e o grito é coletivo. 

Quero matar essa vaca. 

Ana Paula é devidamente apresentada à todos que não conhecia e isso inclui essa que vos fala. Me levanto, abro meu sorriso mais cordial possível, lhe dou os devidos 2 beijinhos na bochecha e depois me sento. Ela logo puxa uma cadeira e sente de frente a nós e inicia um papo animado com os meninos. Tento não prestar atenção e volto minha conversa para Valentina.

- Onde a gente estava? Aaah sim, seu canal no youtube. Já escolheu o nome?
- Já, promete que não vai rir?
- Claro que não, fala logo! - pergunto ansiosa.
- Tá... VALENTE SOB RODAS.
- Valente sob... AAAAH TÁ , ENTENDI! AMEI! GATA ISSO MERECE UM BRINDE! 

E brindamos com guaraná servido no copo de plástico mesmo que tá ótimo! E após 19 rodadas de pizza (ô povo come, hein!) e muito guaraná Antartica, a galera ainda queria sair pra beber no baixo botafogo. Minha barriga tava tão cheia que eu mais parecia a Kim Kardashian grávida num vestidinho justo, ou seja, eu ia explodir a qualquer momento! Cabia mais nada ali, nem 1 copo d´agua, o que dirá 1 long neck da Heineken!


- Gente... vai dá não! – Aviso logo – Vou pra casa porque tô super satisfeita.

- Aaaah não, fica! Vem comigo e os meninos ali no bar tomar uma saideira, por minha conta. – Pede Pedro me lançando aquele olhar que derrete manteiga e endurece o cimento. 


Safado, ele sabe que adoro esse olhar e essa carinha de cão que caiu do caminhão da mudança. Como dizer não numa situação dessas?

- Aaah Pedro... – SEJA FORTE, VEADA!

- Só uma, depois te coloco no carro.

- Tá, só uma e quem vai pedir o Uber é você, no seu celular!
- Fechado!
- Bom vocês ficam mas eu vou porque já tô cheia e com dor, ok. Sem negociação – Avisa Valentina que já sai arrancando com a cadeira – Pra quem fica beijos e se cuidem. Pedro, vem aqui me dar um abraço.
E Pedro se aproxima de Tina. 
- Quero que saiba que sinto muito pelo o que está acontecendo e estou em preces pelo seu pai e sua família. E se precisar de alguma coisa, qualquer coisa, e eu puder lhe ajudar então, por favor, não exite em me procurar. Te adoro.
- Também te adoro, Valentina, e obrigado, de verdade. – Responde ele já com os olhinhos cheios d´agua. Assim eu também choro :´{ 
E feito a devida despedida, Tina vem falar comigo:
- Tú tome tenência.
- Querem que eu tome outra coisa e com álcool.
- Entendeu o que eu disse.
- Entendi, pode deixar, não vou exagerar. 
E exagerei. Claro que exagerei. Até parece que é possível você tomar só 1 garrafa de cerveja com seu boy cruch... digo, amigo! Digo... Aaah já nem sei mais quem eu sou, EU TÔ BÊBADA! 
Ficamos por ali na Voluntários da Pátria mesmo, nesses bares-biroscas-chopperias da vida que tava bom demais! Acabou que eu engatei um papo com Ana Paula e não é que ela é gente fina, mesmo! Daquelas que depois que você conhece quer ser amiga pra chamar pra balada! E entre risos, conversas e garrafas de Heineken e BOHEMIA, eis que Ana Paula e Kléber se beijam... OPA, ANA PAULA E KLÉBER! Por essa eu não esperava! OK OK, interpretei errado as coisas. E quando vou ver, Leo já está agarrado a uma loira que não faço a mínima ideia de onde ela surgiu! E é um emaranhado de gente que não sei onde começa ele e termina a tal mina! Mas que coisa! 
Olho para Pedro que está sorrindo e eu tento disfarçar meu constrangimento e pensamentos impuros. E Valentina aparece materializada na minha frente dizendo “Tome tenência!”, e eu bem que tento me controlar e não dá pinta, ou mancha, mas eis que a iniciativa não parte de mim dessa vez e sim dele. 
- Sobramos aqui. – Diz Pedro.
- É, pra você vê. – Respondo sem olhar pra ele.
- Acho melhor a gente vazar. Quer ir lá pra casa?
- ...Quero. 
“Quero”? “QUERO”?!!! Garota você bebeu, foi?... Pior que sim, literalmente eu bebi! Puta que merda! Agora já era tarde, Pedro pagou a nossa parte da conta, me puxou pela mão e foi me levando pela cintura. Ele e os meninos moravam ali perto, na Rua Sorocaba, dava pra ir à pé. O caminho foi silencioso, ninguém teve coragem de falar absolutamente nada, tirando o fato de que, quando estávamos quase chegando, vi um mendigo  mal humorado nos encarando e na hora cogitamos um possível assalto e como eu já estou farta desses ladrões de celular + o fato de estar de pileque = levantei a voz para o cara!
- QUAL FOI?! TÁ OLHANDO O QUE? VAI QUERER ASSALTAR? VAI QUERER ROUBAR MEU CELULAR? AQUI NÃO QUERIDINHA! VAI ASSALTAR BANCO AO INVÉS DE ASSALTAR TRABALHADOR!
- TÁ LOCA, PIRANHA? - pergunta ele tão exaltado quanto eu.
- PIRANHA É A SENHORA SUA MÃE QUE TE PARIU, SEU CURRADO DE MERDA!
- VOU TE PORRÁ!
- ENTÃO VEM! VEM SE TU É SUJEITO HOMEM!
- Camila para com isso! – responde Pedro me segurando pela cintura.
- PARO NADA, FOI ELE QUEM COMEÇOU!
- COMECEI NADA, ESSA VAGABUNDA QUE PARTIU PRA CIMA! – responde o mendigo já perdendo a paciência.
- Camila para de loucura! – E Pedro faz aquilo o que lhe pareceu mais sensato no momento que é me pegar no colo e me jogar pra cima de seu ombro e me carregar o resto do caminho. Mesmo assim não paro de tagarelar com o mendigo:
- VOCÊ VAI VER SÓ UMA COISA, CARA! EU VOU VOLTAR COM PESSOAS, EU VOU VOLTAR E VOU ACABAR COM A SUA RAÇA! EU SEI ONDE VOCÊ MORA, É AQUI NESSA RUA E NÃO TEM PRA ONDE FUGIR! EXPERIMENTA ASSALTAR MAIS GENTE PRA VER SE EU NÃO TE FRITO!
Só que o mendigo, ao ver a cena, até me deu as costas como sinal de resposta. É, vai ver ele não queria nos assaltar, só tinha cara de marrento mesmo. Ou não, vai saber. 
Enfim chegamos no apartamento dos meninos e Pedro me coloca no chão, tô tonta, e com raiva!
- Deveria ter me deixado socar a cara dele!
- Aham.
- Falo sério, Pedro! Eu bato feito homem e ia acabar com a raça dele!
- Aham.
- E agora eu preciso ir no banheiro! Com faz?
- É só virar a esquerda no final do corredor, esqueceu?
- ... não, não esqueci... com licença.
E cambaleando um pouco chego até o banheiro. MEO DEOS, que cena desnecessária e como eu sou fraca pra bebida! Só funciona quando estou sozinha em casa, com a Cake, tomando minha taça de vinho, mas da porta pra fora eu não sei o que acontece que dá nisso, caio de pileque no primeiro gole... QUE SE DANE EU VOU TOMAR BANHO! 
E faço isso mesmo, tiro meu vestido e entro de cabeça no box do banheiro, tentando enxaguar aquele porre do meu corpo. Vou na água fria pra limpar e despertar, se bem que, morando no Rio, com 35 graus a noite, quem precisa de banho quente? 
Depois dessa ducha já me sinto bem melhor. Me enxugo e me enrolo na primeira toalha que vejo pendurada no box (por favor, que não seja nem do Kléber e nem do Leo!), pego minhas roupas do chão, as coloco penduradas na minha bolsa e sigo para o quarto do Pedro que me aguarda sentado na sua cama.

- Eu não acredito que você tomou banho!
- Nem eu... – falo um pouco envergonhada mas me sentando ao seu lado. 
E mais uma vez ficamos uns segundos em silêncio até que ele vem pra cima de mim beijar o meu pescoço. Retruco um pouco.
- Pedro, não... eu estive pensando e... acho melhor a gente seguir só como amigos à partir de agora porque... você sabe...
- ...tá bem, tem razão. – E ele se afasta.
- Bem que eu queria que as coisas fossem diferentes entre nós e que você ficasse por aqui.
- Eu também. – Fala ele, abaixando a cabeça.
- Mas você sabe que pode contar comigo para o que precisar, não é? Pois se tem alguém que entende o que você está sentindo e sabe o que você vai enfrentar, esse alguém sou eu. Não vai ser fácil, não vou mentir, vai doer, vai dar revolta, é estressante, é algo que pesa em cima de toda a família vai ter dias em que você vai sentir vontade de bater em alguém mas se tudo der certo, como quero crer que vai, então seu pai vai se recuperar e vocês seguiram mais fortes do que quando começaram essa luta.
- Deus te ouça, Camila, porque se algo acontecer eu não sei o que vai ser de nós.
- Nada de ruim vai acontecer no final, eu sei disso. – Falo me debruçando sobre suas costas.
- Você fala como se tivesse uma certeza.
- Não tenho certeza, tenho Fé, que é mais poderosa do que qualquer outra coisa.


MÚSICA DA CENA:


E nos entreolhamos. E o que posso dizer? Eu amo esse olhar, meigo e sem-vergonha ao mesmo tempo. E não demora muito para a gente se abraçar, e se beijar, e se tocar, e se curtir e se amar. É o que acontece quando duas pessoas se conectam de um jeito particular. Porém, logo nas primeiras hora do dia, antes que o Pedro acorde, eu vou embora. Deixo a toalha no mesmo lugar que a peguei, visto minhas roupas e sigo pelo caminho que vim. Não me arrependo do que fiz mas a quem estou enganando? Não somos namorados nem amantes e nem nada, somos dois amigos que, por uma ironia do destino (sempre ele), foram parar na cama um do outro algumas vezes nos últimos meses mas é só isso. Pedro entrou na minha vida no momento certo e agora vai embora. Fim da história. Vai doer mas eu vou sobreviver, sobrevivi ao Filho-Da-Puta-da-Tijuca que partiu meu coração de um jeito voraz, então posso sobreviver a isso.

E quando estava virando a esquina da Rua Sorocaba, quem eu encontro? O próprio, o mendigo mal encarado, ainda acordado! Não resisto e vou até ele pedir desculpa.

- Hey, cara.
- AAAAAH QUAL FOI? - pergunta ele já puto e elevando o tom de voz.
- Olha, mil desculpas pelo o que eu falei com você aquela hora, sério, foi um papelão! Eu tinha bebido demais e acabei falando coisas sem sentindo e que lhe desrespeitaram e eu peço perdão do fundo do meu coração.
- Hum...
- Você é um ser humano e merece ser tratado com dignidade e ninguém pode chegar pra você e falar aquelas coisas horríveis que falei. Sério, me desculpa. Tô arrependida de verdade.
- ...pô colega, valeu mesmo por essa moral, cê vacilou comigo, peidou na farofa e tal, mô cheia de marra mas soube ser humilde, na tranquilidade e me pediu desculpas. Gostei disso aí, valeu mesmo, curti teu posicionamento.
- J - e só consigo lhe sorri de volta.
- Agora perdeu, passa o celular e depois mete o pé senão te furo aqui e agora!
- QUÊ?!


Viram só? Eu não falei que ele queria nos assaltar! 

Eu gosto de brincar de ser blogueira e aqui eu vou compartilhar com vocês um pouco do meu trabalho como designer e cool hunter. E também vou mostrar as novidades do mundo atípico e como fazer para interagir com esse universo porque... né!

0 comentários:

Postar um comentário

@cacaudossantos
+55 21 9999-31199
Bairro das Laranjeiras, Rio de Janeiro - Brasil

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *